Sakineh pode ser executada “a qualquer momento” no Irã.

Sakineh pode ser executada “a qualquer momento” no Irã.

Anistia Internacional (AI) alertou nesta quarta-feira para o grave risco que a iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, 42, acusada de adultério por ter mantido “relações ilícitas” com dois homens em 2006, corre de ser executada no Irã.

Em um comunicado, a AI lembrou hoje que a iraniana “perdeu sua principal defesa” após a saída de seu advogado, Mohammad Mostafaei, do Irã.

Para a organização dos direitos humanos, embora em 4 de agosto a condenação à morte de Ashtiani tenha então permaneceu em prisão na cidade de Tabriz.

começado a ser revisada no Tribunal Supremo iraniano, tal revisão poderia tratar-se de uma tentativa das autoridades do Irã para reduzir a pressão internacional.

O grupo ressaltou que enquanto não existir uma declaração expressa da magistratura iraniana anulando a condenação por apedrejamento, Ashtiani “poderá ser morta a qualquer momento”.

Por isso, a AI continua recolhendo assinaturas no SITE para pedir que a execução não ocorra.

EUA

Ontem, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, expressou a preocupação dos Estados Unidos com a situação dos cidadãos que enfrentam risco de execuções “iminentes” no Irã, e pediu que o país não as realize.

“Estamos preocupados com o destino dos condenados à morte depois das eleições de junho de 2009. Os Estados Unidos urgem o governo iraniano a deter estas execuções, em concordância com sua obrigações às convenções internacionais”, diz a nota da secretária.

“Os EUA continuarão a defender as pessoas no mundo todo que buscam exercer seu direito universal de se expressar e de defender as liberdades individuais”, acrescenta a nota.

ASILO NO BRASIL

Na segunda-feira (9) o embaixador do Brasil em Teerã, Antonio Salgado, se reuniu com o governo local para apresentar aos canais oficiais, formalmente, a oferta de asilo à iraniana.

Mãe de dois filhos, Sakineh Mohammadi Ashtiani foi condenada em maio de 2006 a receber 99 chibatadas por ter um “relacionamento ilícito” com um homem acusado de assassinar o marido dela. Sua defesa diz que Sakineh era agredida pelo marido e não vivia como uma mulher casada havia dois anos, quando houve o homicídio.

Mesmo assim, Sakineh foi, paralelamente à primeira ação, julgada e condenada por adultério. Ela chegou a recorrer da sentença, mas um conselho de juízes a ratificou, ainda que em votação apertada –3 votos a 2.

Assassinato, estupro, adultério, assalto à mão armada, apostasia e tráfico de drogas são crimes passíveis de pena de morte pela lei sharia do Irã, em vigor desde a revolução islâmica de 1979.

Matéria Folha Online

Um comentário sobre “Sakineh pode ser executada “a qualquer momento” no Irã.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s